20 a 30% dos homens sexualmente ativos sofrem de ejaculação precoce

A ejaculação precoce é uma disfunção que atinge milhares de homens no Brasil e nada mais é do que um orgasmo que acontece mais cedo do que o esperado durante o sexo. Cerca de 20 a 30% dos homens sexualmente ativos (um em cada três) sofrem com o problema de não conseguir controlar a própria ejaculação e, muitas vezes, apenas com poucos estímulos acabam tendo um orgasmo.

O orgasmo masculino depende muito do nível de excitação e dos estímulos que são feitos, então é normal que o homem ejacule antes uma ou outra vez. Nesses casos, não é preciso tomar precauções. No entanto, se o homem atinge o orgasmo antes da sua parceira ou parceiro em mais de 50% das relações sexuais, é necessário procurar ajuda médica, pois ejaculação precoce já é considerada um problema.

Causas

Embora não haja causas comprovadas do que desenvolve a ejaculação precoce, muitos especialistas acreditam que alguns fatores psicológicos e biológicos contribuem para o aparecimento dessa disfunção. Por exemplo:

1 – Fatores psicológicos
Entre os fatores psicológicos mais comuns que levam a ejaculação precoce, estão:
– Ansiedade;
– Estresse;
– Problemas emocionais;
– Uso de álcool;
– Uso de drogas;
– Alguns medicamentos, como psicotrópicos;
– Disfunção erétil.

2 – Fatores biológicos
Quanto os fatores biológicos, os mais conhecidos são:
– Distúrbios da tireoide;
– Hormônios acima do normal;
– Níveis de neurotransmissores acima do normal;
– Inflamação ou infecção na próstata e na uretra;
– Atividade anormal do sistema ejaculatório;
-Danos no sistema nervoso causados por experiências traumáticas ou cirurgias;
– Fatores genéticos;
– Diabetes não diagnosticada ou controlada.

Fatores de Risco

Entre os diversos fatores que podem colaborar para o desenvolvimento da ejaculação, existem dois em especial que são considerados de risco:
– Disfunção erétil: dificuldades em ter ou manter uma ereção, assim como o receio de perdê-la durante a relação, podem ocasionar uma ejaculação antes da hora;
– Estresse: um problema causado pelo dia a dia e que afeta o emocional e/ou mental, reduzindo assim a concentração e entrega durante o sexo, causando a ejaculação precoce.

Sintomas

Apesar do sintoma mais comum ser a ejaculação acontecer antes do que o esperado, há outros tipos de sintomas que podem diagnosticar essa disfunção e ocorrem, não só durante o sexo, mas até mesmo na masturbação.
Conforme os médicos, existem dois tipos de ejaculação precoce: a primária e a secundária. Sendo a primeira, percebida ao longo da vida do paciente.
Os principais sintomas são:
– Dificuldade de segurar uma ereção com menos de um minuto de penetração;
– Incapacidade de segurar a ereção durante o ato sexual;
– Estresse, frustração e o ato de evitar intimidade sexual com o parceiro.

Já para a ejaculação precoce secundária, os sintomas são os mesmos, mas a diferença é que nem sempre fizeram parte da vida sexual do homem. Ou seja, antes ele consegui manter uma relação normalmente até que os sintomas surgiram.

Diagnóstico

O diagnóstico da ejaculação precoce é realizado através de uma conversa com o médico sobre o histórico de saúde do paciente e a analise dos sintomas apresentados.
Em alguns casos, é necessário exames, como o de sangue, para verificar os níveis de testosterona no sangue.

Tratamento

Terapia sexual, medicamentos e psicoterapia são os tratamentos mais indicados pelos médicos para a cura da ejaculação precoce. Contudo, existem outras maneiras de tratar essa disfunção.

1 – Terapia sexual
A terapia sexual consiste em se masturbar uma ou duas horas antes da relação sexual para conseguir retardar a ereção durante a relação. Evitar a penetração e buscar por outros meios de prazer também são métodos válidos.

2 – Técnica do aperto
Durante o sexo ou a masturbação, quando o homem sentir que está próximo do orgasmo, deve apertar delicadamente a base do pênis (perto de onde a glande se encontra com o eixo) por alguns segundos e parar com a estimulação por mais 30 segundos, antes de recomeçar.
O processo deve ser repetido até que o homem queira ejacular e, no final, siga com o estimulo até que atinja o orgasmo.

3 – Técnica “parar e começar”
Semelhante a técnica do aperto, o homem vai ter o estimulo sexual e quando estiver próximo do orgasmo, para por 30 segundos e começa novamente.

Produtos contra ejaculação precoce

A ejaculação precoce é um problema que assombra muitos homens e que requer ajuda médica para ser curado. Quando diagnostica, essa disfunção pode ser facilmente tratada com métodos mais simples, como alguns tipos de terapias. Ou também por meios convencionais, como o uso de determinados medicamentos.

Nessas duas situações, é essencial a orientação de um médico, pois é ele que vai indicar qual o melhor tratamento para o seu caso. Quais medicamentos deve tomar, no caso das técnicas de distração não funcionares, bem como a dosagem certa e por quanto tempo irá tomá-lo. Seguir corretamente a prescrição médica fará toda a diferença para que o tratamento tenha resultados satisfatórios e não afetem a saúde.

Entre os principais medicamentos para tratar a recuperação precoce, o Anafranil e o Clomipramina são os mais recomendados. Porém, alguns antidepressivos também podem ser indicados, já que um de seus efeitos colaterais desses remédios é prolongar o tempo necessário para chegar à ejaculação.

Abaixo, veja quais são os medicamentos para ejaculação precoce mais indicados e utilizados para cuidar e curar esse problema.

1 – Anafranil

Anafranil

O anafranil é composto por clomipramina, um antidepressivo tricíclico (classe de fármacos usados no tratamento sintomático da depressão e outras síndromes depressivas), tendo como principais efeitos o combate à depressão e de sintomas obsessivos.

Efeitos colaterais: tontura, tremores, cefaleia e mioclonia, sonolência.
Contraindicações: hipersensibilidade à clomipramina ou a qualquer um dos componentes, ou sensibilidade cruzada a antidepressivos tricíclicos do grupo dos dibenzazepínicos.

2 – Clomipramina

Clomipramina

Antidepressivo bastante usado no tratamento da ejaculação precoce e o que melhor tem índices de sucesso em relação a cura da disfunção. Um dos mais antigos antidepressivos existentes no mercado. Usado para tratar a depressão e distúrbios do humor, assim como obsessões, estados de pânico e fobias.

Efeitos colaterais: sonolência, fadiga, sensação de inquietação e aumento do apetite.
Contraindicações: hipersensibilidade à clomipramina ou a qualquer um dos componentes, ou sensibilidade cruzada a antidepressivos tricíclicos do grupo dos dibenzazepínicos.

3 – Trazodona

Trazodona
Antidepressivo e ansiolítico com ótimos resultados no tratamento da ejaculação precoce e também para controle da ansiedade.

Efeitos colaterais: tontura e sonolência diurna (por isso é indicado tomar a noite, antes de dormir).
Contraindicações: pacientes com hipersensibilidade à Trazodona e no período de recuperação do infarto do miocárdio.

4 – Paroxetina, Sertralina ou Fluoxetina

Paroxetina
Antidepressivos controladores da produção de serotonina (substância responsável pelo estado de alerta/perigo de nosso cérebro). Utilizados para o tratamento da ejaculação precoce, mas não apresentam resultados tão efetivos quanto os medicamentos anteriores.

Efeitos colaterais: náuseas, insônia, redução da libido, retardo na ejaculação, tremores, redução do apetite, astenia e ansiedade.
Contraindicações: não encontradas.

5 – Lidocaína ou Prilocaína

Lidocaína
Anestésicos tópicos indicados para aplicação direta no pênis, assim reduzindo a sensibilidade e diminuindo a vontade de ejacular.

Efeitos colaterais: redução do prazer e/ou surgimento de reações alérgicas.
Contraindicações: não encontradas.

Deixe seu cometário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *